sábado, 10 de setembro de 2011

Feliz que nem criança


Sim, esse sou eu, não mudei quase nada.
Pior coisa do mundo é crescer. Quando se é criança é tão mais fácil ser feliz, tudo é tão mais simples e sem tantas preocupações, expectativas e cobranças, mas quando se cresce vai se perdendo essa simplicidade, as coisas ficam complicadas e começam a nos jogar muitas idéias, convenções, começamos a nos perder em nossos próprios pensamentos.
Saudade de época em que minhas únicas preocupações eram se o Ash Ketchun ia conseguir as oito insíguinias ou se eu ia conseguir convencer meu pai a me levar à casa dos primos para jogar Mario party, como sinto falta de jogar tazo, talvez beber guaraná caçulinha e colecionar os pokémons, de juntar as tampinhas de coca-cola e trocar por geloucos, de assoprar fita de super Nintendo, de ouvir meu irmão insistindo para eu ir brincar mesmo sendo ele o mais velho.
Mas quem sabe um dia esse turbilhão vai passar, conseguiremos nos divertir tanto em apenas uma tarde e seremos então, felizes que nem criança.